Lendo

baPHo! Pague meia entrada na Macumba Antropófaga d...

baPHo! Pague meia entrada na Macumba Antropófaga desta semana!

“Pra quem não ter dinheira
pra pagar inteira
COMPARTILHA PAGA MEIA!”
TRUMP, McDonald

sábado e domingo, 08 e 09 d julho, 16H

paga meia!!

Basta compartilhar este post publicamente no seu Facebook ! (Se não tem facebook, vale mostrar esse bapho na bilheteria!)

 

com dramaturgia de Zé Celso, Catherine Hirsch, Roderick Himeros y companhia uzyna uzona, o rito foi criado a partir do Manifesto Antropófago de Oswald de Andrade.

2017

Macumba Antropófaga começa com um cortejo pelo bairro do Bixiga e realiza acupunturas em ponto necrosados do bairro: Maloca da Jaceguay, Casa de Dona Yayá, TBC – o Teatro Brasileiro de Comédia e a Casa de Oswald de Andrade – rua Ricardo Batista nº 18.
O cortejo segue pelas ruas São Domingos, Japurá e rua do Bixiga até voltar ao Teatro Oficina, virado restaurante Troca-Troca.
Oswald de Andrade (Marcelo Drummond) e Tarsila do Amaral (Letícia Coura) são servidos pelo deus dos garçons, Ganimedes (Roderick Himeros). Ele oferece absinto e as estrelas da noite: as rãs, que reconhecidas como corpos humanos, são deglutidas, restabelecendo o elo perdido com os deuses animais e nossos ancestrais antropófagos. Inspirados, se amam e sonham. Criam em cena o livro-comida Manifesto Antropófago e o quadro Abaporu.
O Coro antropófago Tupinambá caça Oswald, virado Hans Staaden, que se apaixona pela burú Pagu (Camila Mota). Deles nasce Macunaíma (Roderick Himeros) e passados 16 anos Oswald está pronto pra ser comido pela tribo.
O espetáculo musical, teatro de revista, põe em cena personagens e situações da vida política do Brasil e do mundo – tabus para sua devoração e virada em totens. Donald Trump, Theresa May, Temer, a CPI da FUNAI, deputados de extrema direita, movimentos xenófobos contracenam com entidades invocadas por Oswald de Andrade no manifesto em 1928: Padre Vieira, Moisés, a Mãe dos Gracos, Dom João VI, Carlos Gomes e outras.

RETORNO AO PENSAMENTO SELVAGEM

O coro antropófago vai em direção ao primitivo, num retorno ao pensamento em estado selvagem com percepção da cosmopolítica indígena, que hoje nos revela a urgência em cessar a predação e o trauma social do capitalismo, do patriarcado e do antropoceno que atravessam continentes e séculos carregando a mitologia do Progresso a qualquer custo.
Praticamos neste início de século o ódio a tudo o que não sou eu — e a fina faca da intolerância tem de fato cortado cabeças.
A encenação do Manifesto pela companhia em 2017 nasce a partir da necessidade da incorporação da Antropofagia como visão de mundo – Weltanschauung – para desvendar e interpretar o tempo presente no Teatro – um ritual de poder humano, que pode, concretamente atuar e superar entraves das crises que procriam dia após dia.
Hoje, com o fascismo presente na direita e na esquerda — no desejo de aniquilação das diferenças, é justamente a perspectiva antropófaga que entra em cena como filosofia e ação política, experiência de contracenação, prática de remoção dos antolhos para ver o antagonista com olhos livres.
Um banquete antropófago é um rito de adoração da adversidade, a transformação permanente do Tabu em Totem.

___________________

SERVIÇOS

MACUMBA ANTROPÓFAGA
Incorporação do MANIFESTO de OSWALD DE ANDRADE
Temporada: De 24/06 a 24/09, sempre aos sábados e domingos.
Horário: 16h00
Ingressos: R$ 60,00 (inteira), R$ 30,00 (meia) e R$ 20,00 (moradores do Bixiga, mediante comprovação de residência).
Local: Teatro Oficina (Rua Jaceguai, 520, Bixiga. Tel: 11. 3106-2818).
Capacidade: 350 pessoas.
Duração: +- 5h
INGRESSOS ANTECIPADOS
ou no dia, na bilheteria do teatro, uma hora antes de cada espetáculo
Indicação etária: 18 anos.
Transmissão ao vivo
SEJA UM CO-PRODUTOR DO TEAT(R)O OFICINA: http://teatroficina.org/

+ no facebook


RELATED POST

COMMENTS ARE OFF THIS POST