READING

entra na roda COBRA GRANDE!!! cortejo de acupuntur...

entra na roda COBRA GRANDE!!! cortejo de acupuntura alquímica pelo Bixiga

Neste fim de semana – 15 e 16/07 – e até 24 d setembro,  a Macumba Antropófaga desperta o rito e evoca a cosmopolítica dos burús, numa encenação em escala urbana por Sampã, com um cortejo de acupuntura alquímica pelo bairro do Bixiga, ativando, no percurso pontos necrosados do bairro.

 

TABU EM TOTEM – ROTEIRO DAS ESTAÇÕES

Maloca da Jaceguay – o baixio do viaduto Júlio de Mesquita Filho, na altura da rua Jaceguai, no Bixiga, está povoado de moradores adultos, velhos e crianças. O maior tabu do bairro revela um grande desafio urbano de toda a Sampã: como co-habitar o espaço público em contracenação com as diferenças?

 

Casa de Dona Yayá – a casa onde foi enclausurada Sebastiana de Melo Freire, dona Yayá*, hoje é o Centro de Preservação Cultural da USP. Nessa estação o coro de mulheres liberta Yayá da camisa de força.

 

TBC – o Teatro Brasileiro de Comédia, hoje propriedade da Funarte, está com as obras paradas. Nessa estação, o coro invoca Cacilda Becker para desentumular o espaço e incorporar Tarsila do Amaral e buscar Oswald de Andrade em sua última residência.

 

Casa de Oswald de Andraderua Ricardo Batista nº 18, nesse prédio o coro chama o mamífero Oswald para beber leite de cabra e recriar com Tarsila a grande noite da descoberta da antropofagia.

 

O cortejo segue o fluxo da acupuntura urbana pelas ruas São Domingos, Japurá e rua do Bixiga até completar o percurso na rua Jaceguay.

 

cobra-grande ande, ande! fotos: Jennifer Glass

COMPRE INGRESSOS

Entra na Roda
Cobra Grande
O Resto Esqueça
na Rua Come Cabeça
Jaceguay
Vai,Vai
Vai Vai!
Bixiga
Abriga
Cobra Grande
Ande Ande
Oficina, Rua comprida
tem Saída
Pro Ah Anhangá AnhangaBaú da Feliz Cidade!
Travessia, Abolição
Atenção!
Direção:
CANUDOS EM BAIXO DO MINHOCÃO
MALOCA DA JACEGUAI!
ARRAIAL DE CANUDOS
VEM PRO ENTRUDO! VEM PRO ENTRUDO!
DA RUA OCUPANTES, VAM!
PRA OCUPAÇÃO ANDANTE, ANDANTE!
MALOCA DA JACEGUAI!
Simbora!
Casa Grande de Dona Iaiá!
IÁ! IÁ!
Já já, já dá pra ver
na Major Diogo, a Fachada do TBC!

 


 *Sebastiana de Melo Freire, mais conhecida como Dona Yayá (1887-1961), fazia parte de uma das mais importantes famílias do interior paulista. Com a morte de seus pais e irmãos, herdou a fortuna da família. Ela residia em um palacete no centro de São Paulo, onde recebia seus amigos, promovia saraus e mantinha um estúdio de fotografia. Ainda jovem foi considerada louca, foi enclausurada na casa situada na rua Major Diogo, Bixiga, até seu falecimento aos 74 anos. Depois de sua morte, Dona Yayá virou símbolo para a luta antimanicomial, pela liberdade e pelos direitos das mulheres, Sua casa foi transformada no atual Centro de Preservação Cultural da Universidade de São Paulo (USP). 

RELATED POST

COMMENTS ARE OFF THIS POST