Oficina lê Senhora dos Afogados

Na última sexta-feira, dia 17 de agosto, o Oficina, junto com as atrizes Mariana Ximenes e Maria Padilha, leram a peça Senhora dos Afogados, de Nelson Rodrigues. A leitura ocorreu após a apresentação de Vento Forte para um Papagaio Subir e pode ser o embrião de um possível projeto para 2008.

Junto com Álbum de família, O Anjo Negro e Dorotéia, Senhora dos Afogados compõe o núcleo de peças míticas de Nelson Rodrigues. Entre conflitos familiares, aparecem três gerações que encontram no mar a referência mítica e simbólica para suas angústias. O mar é, ao mesmo tempo, traiçoeiro e amigo, local para onde vão as mulheres que querem se ver livre do jugo opressivo da moralidade carioca. O ciúmes tempera a trama, que segundo Sábato Magaldi é a melhor expressão da influencia de Eugene O’Neil na obra rodrigueana.

A peça foi encenada pela primeira vez no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, com as atrizes Nathália Thimberg e Sonia Oiticica e direção de Bibi Ferreira. Escrita em 1947, a peça foi vetada pela censura da época, mas liberada após intervenção de Otto Lara Rezende e Tancredo Neves.

Dirigidos por Zé Celso, os atores fizeram uma leitura encenada do texto, com Marcelo Drummond no papel do patriarca da família Drummond. Maria Padilha leu o papel de D. Eduarda, Mariana foi a filha, Haroldo, o Noivo e Freddy Allan o do Filho.