Kré puc te

kré puc te
pec li le
kre pec ti lê
e kruk pt
e

Pra dar um fim no juízo de deus

Denunciando certo número de bostas sociais, oficialmente reconhecidas e recomendadas, a montagem/rito dirigida por Zé Celso com Tyazo do Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona, a partir da peça radiofônica de Antonin Artaud (1896-1948), exige a incorporação física do Verbo para defender o corpo sem órgãos e decretar o fim do juízo de deus. Em 90 minutos de enorme intensidade poética, refaz nossa anatomia, livre dos automatismos que nos impedem de viver e que insistem em dar uma interpretação estanque ao Humano. O Teatro volta então a ser o lugar onde se operam as transmutações cirúrgicas para nos transformarmos, no corpo a corpo de uma experiência viva.

Antonin Artaud, preso em 1937 na Irlanda, deportado pra França, passou muitos anos internado em hospícios e só foi libertado no fim da 2ª Guerra Mundial. Em 1947, escreveu Pra dar um fim no juízo de deus para uma transmissão radiofônica, que foi censurada pelo diretor da Radiodifusão Francesa.

pra dar um FIM no juízo de deus no Carnaval 97

Centenário de Artaud - MASP 96

Sua peça foi adaptada pelo diretor Zé Celso e pela Associação Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona pela primeira vez em 1996, numa encenação no Museu de Arte de São Paulo para a comemoração dos 100 anos de nascimento do autor. Devido à grande repercussão, ganhou temporada de três meses no Teat(r)o Oficina. Em 1997, novas sessões de carnaval foram organizadas na Casa das Rosas, na capital paulista, seguindo depois para Salvador (Capela do Museu de Arte Moderna da Bahia), algumas cidades do interior do Estado de São Paulo e Recife. Em 1998, faz uma pequena temporada de grande sucesso no Centro de Arte Hélio Oiticica, no Rio de Janeiro.

2015

Trailer

Filme da Peça

Programa Metrópolis

Tv Cultura

2016

Artaud Momo em Brasília

última sessão em Brasília

virada cultural BH

Julgamento de Dilma Joana D'Arc