Lendo

Tréplica para o Grupo Sílvio Santos (parte I)

Tréplica para o Grupo Sílvio Santos (parte I)

Excelentíssimo Promotor da Procuradoria do Meio Ambiente
Dr. Roberto Carramenha

Recebemos a cópia por Vsa. enviada da carta manifestação do Grupo Silvio Santos, diante da proposta da Associação Teatro Oficina Uzyna Uzona contida no manifesto “O Bixigão”. Os autos de um processo como uma peça de teatro, precisam quando encerram um ato, ter as posições do drama em conflito bem recolocados para que não se perca a clareza do enredo geral. Estamos dando aqui agora, a réplica aos ítens “técnicos” do Dr Marcelo Terra. Mesmo que a peça conclua por uma impossiblidade de acordo entre as partes, não podemos deixar de acreditar na possibilidade de comunicação com o público e de dar chance que o antagonista conheça o pensamento insano do protagonista, ou vice versa. Por isso solicitamos a Vs. que inclua nos autos este texto e o envie para o Grupo Silvio Santos. Apesar de longo, quando for lido, não será inútil para o final do juizo dos atos que ainda acontecerão desta intensa tragicomédiorgya ao vivo.

1 – A proposta que escrevi a pedido do Dr. Marcelo Terra, mais do que uma tentativa de acordo foi uma proposta de trabalho. Partiu da declaração que fiz na audiência do dia 17 de janeiro a esta promotoria que somente seria possível a discussão entre as partes, quando se levasse em conta o projeto que há 22 anos o Oficina vem concebendo para seu entorno de imóvel tombado, afim de que o Grupo Silvio Santos tivesse a mínima informação sobre o que, com o que, com quem, está, esteve, discutindo sua tentativa de acordo. “Tecnicamente” uma proposta de conciliação nasce acima de tudo do entendimento dos direitos, projetos, desejos, das partes, e não por critérios exclusivamente da “objetividade”, da “articulacão”, da “clareza” da lógica subjetiva e delirante do “tudo por dinheiro”.

2 – Não sou “patrono” de Associação nenhuma. Sou diretor do Teatro Oficina e presidente da Associação Teatro Oficina Uzyna Uzona, que zela pelos objetivos vivos que inspiraram o Tombamento deste bem Tombado, sua manutenção e principalmente seu crescimento. Trabalhamos com o Conselho da Associação minuciosa e criadoramente lsobre a situação especifica que inspirou o texto, que com muito orgulho, eu, José Celso Martinez Corrêa, diretor, ator, produtor e dramaturgo premiado, digitei com meus próprios dedos. Como o assunto é de importância vital para o Centro de São Paulo, esperava nem digo, o mesmo do Diretor do grupo, mas que Silvio Santos do alto do seu pedestal, tivesse a delicadeza e a humildade, por respeito a justiça da cidade, de manifestar-se diante de uma proposta de trabalho, de um “Manifesto” que tem tudo a ver com ele, feito por um artista reconhecido de sua mesma cidade. Os entendimentos de contrários somente são possíveis na prática do trabalho comum e o contrário de uma guerra. Sou líder de um grupo cultural, que se manifesta apaixonada e personificadamente, em manifestos também, como os nossos ancestrais modernistas de 22. E muitas vezes. É nosso estilo. Cartas abertas que não se conformam com os segredinhos do negócio quando uma causa pública está em jogo.